DATE: 30 Junho, 2018
TIME: 22:00
Last Hope // Trinta e Um // Verme 30 Junho, 2018

Produção Quiet Riot Bar em conjunto com a Cine Incrivel – Alma Danada
Comemoração dos 26 anos de Last Hope, com a participação de Trinta e UM (Linda a Velha) e Verme (Almada)
Com o apoio de Restaurante Fonte da Pipa e Hell Xis Agency
Dia 30 de Junho a partir das 21.30h
Pré-venda 6 Riots, no dia 8 Riots

Last Hope
Página – https://www.facebook.com/LastHopeMshc/?ref=br_rs
Bio
Fundada a 1992
Género
HARDCORE
Membros da banda
Dilone – Voz
Barba – Guitarra
Chimpuim – Baixo
Guilherme – Bateria
Naturalidade
Portugal
Companhia discográfica
HELL XIS RECORDS
Sobre
MSHC since 1992!
Biografia
Os Last Hope surgem nos anos 90 (1992), com o objectivo único de tentar passar uma mensagem de revolta e inconformidade sobre todas as situações de injustiça com que nos deparávamos.
Inicialmente, não encarámos o respectivo processo de uma forma muito séria, mas devido ao retorno que recebemos por parte de quem se sente identificado com a mensagem, assumimos que tínhamos algo a dizer e a fazer para tentar ajudar a inevitável mudança.
Em 1993, lançámos a nossa primeira promo, intitulada “Merry Christmas Motherfuckers”, com 6 temas. Foi uma edição em K7, e deu-nos a oportunidade de nos mostrar ao público em geral, particularmente na nossa MS.
Em 1995, mostrámos ao público o CD single, intitulado “Heart Core” e tratou-se do nosso primeiro registo digital e com vontade de demonstrar algum profissionalismo e qualidade.
1998 foi o ano que realmente consideramos crucial para os Last Hope, com o lançamento do álbum “Spirit of Unity”. Achamos que a partir desse momento, as pessoas começaram a encarar a nossa banda de uma forma séria, tendo em conta que aquilo que fazíamos era bastante real e descomprometido.
“Our Second Generation” foi o álbum que se seguiu com registos bastante rápidos e pesados, onde continuámos a nossa senda de concertos por todo o país e a demonstrar a nossa vontade e força de mudar.
Em 2008, surgiu o álbum “Continuar a Acreditar” (único registo totalmente em português), onde uma vez mais tentámos passar a nossa mensagem de uma forma directa, pesada e sem qualquer tipo de rodeios.
Hoje continuamos a acreditar num futuro melhor, a acreditar que mudar é possível, a acreditar que todos juntos e unidos somos mais fortes!
Acreditamos, porque somos humanos e acreditamos, porque é possível mudar…
Basta acreditar!
Como a música é uma arma, esta é a nossa arma!
JUNTA A TUA À NOSSA VOZ!

Trinta & Um
Pagina – https://www.facebook.com/trintaeum.lvhc/
Fundada a 31 de Agosto de 1995
Género
Punk Rock / Hard Core de Linda-a-Velha
Membros da banda
Zé Goblin – Voz
Rato – Bateria
Deris – Guitarra
Johnny – Baixo
Naturalidade
Linda-a-Velha
Sobre
Com Orgulho TRINTA & UM até ao Fim!
Desde 1995 LVHC.
http://trintaeum.bandcamp.com/
Biografia
Os Trinta e Um nasceram em Linda-a-Velha a 31 de Agosto 1995.
Formados com a despreocupação natural de quem procura na musica uma forma de se expressar e também de se divertir os Trinta e Um começaram assim por ser um projecto totalmente amador que tinha por principal missão tocar ao vivo.
Apenas duas semanas depois de se juntarem gravam 5 temas num estúdio barato e distribuem-nos em cassete a alguns amigos e agitadores do movimento punk-hardcore nacional da época.
Esta cassete foi sendo gravada e re-gravada chegando assim a cada vez mais gente e também com cada vez menos qualidade (risos).
Uma coisa é certa, apesar de mal gravada e pior ainda tocada essa cassete velhinha tinha musicas que se vieram a tornar autênticos hinos da banda entre os quais a sua música mais emblemática de sempre – L.V.H.C.
De seguida começaram a tocar ao vivo em todo e qualquer lugar onde os deixassem, arrastando atrás de si a “turma” de Linda-a-Velha e mais alguns jovens tresmalhados da grande Lisboa.
Os convites iam-se sucedendo e cada vez aparecia mais gente nos concertos que eram verdadeiras festas de mosh e pontapé!
As coisas corriam bem e decidem voltar ao mesmo estúdio para gravar mais 5 temas no intuito de repetir a formula que tão bons resultados tinha dado, mas desta feita a cassete nunca viria a chegar á rua…
A editora Fast´n Loud já os tinha debaixo de olho e fez-lhes o convite de inserir estes novos temas no volume 3 da sua histórica colectânea “Vozes da Raiva”.
A proposta é aceite e os Trinta e Um aparecem assim num CD juntos dos míticos Ku de Judas de João Ribas e de algumas das mais barulhentas bandas brasileiras da altura.
Logo que o CD sai voltam de novo á estrada e dão mais e mais concertos numa verdadeira fome de palco, chegando ao cumulo de aparecer em concertos de outras bandas com as guitarras para pedir se podiam tocar também (risos).
Pelo caminho são convidados para participar com alguns temas na colectânea brasileira “Urban Noise”.
Em 96 entram em estúdio STS para gravar o seu primeiro álbum mas não conseguem arranjar quem pague e o álbum fica retido em Estúdio. Após algum tempo neste impasse e sem que aparecesse nenhuma editora para pagar a gravação decidem pedir ajuda aos amigos e fãs da banda, fazem uma colecta e arranjam dinheiro para resgatar o disco.
O disco sai finalmente em 97 com o nome de “O Cavalo Mata!”, numa homenagem sentida a um amigo da banda que morrera de overdose num tempo que era de excessos.
Este disco é muito bem recebido dentro do movimento underground e rapidamente esgota.

Verme
Página – https://www.facebook.com/verme2015/
Fundada a 2015
Género
Crust / Hardcore
Membros da banda
Jorge – bateria
Seph – baixo
Galileu – guitarra
Mario – berros
Biografia
“O VERME surge em 2015 com a ideia de fazer som rapido e chateado, desde crust d-beat ao metal com influencias de hardcore. Em 2016 lança o primeiro trabalho DIY , a Demo “Abutres” disponivel para download gratuito no no bandcamp – http://vermeband.bandcamp.com ”
Naturalidade
Almada
Sobre
vermeband.bandcamp.com
youtube channel: verme official
Localização atual
Almada
Influências
metal crust punk d-beat grind hardcore
categories

Mais informações em breve…

CINE INCRÍVEL © 2014. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por WonderLab. Gestão/Programação Alma Danada Associação Criativa